Capítulo 20: Mais um dia normal







- Ei, Sally.- a garota de cabelos verdes perguntou, remexendo em sua mochila.

- O que foi, Ellie?

- Você se lembra de termos tantos baús assim?

- Baús?- a garota perguntou, se aproximando.- Santo Arceus! A GENTE TINHA TANTO ASSIM? Deve ter uns doze por ai!

Na mochila de Ellie, havia pequenos baús, o que explicava por que Ellie tinha dificuldade de levantar. Tanto era o peso que logo seus dedos ficaram vermelhos apenas por segurar um pouco e as juntas das mãos ficarem brancas. Deixou no chão, movendo as mãos no ar, como se dissipasse a dor.

- Tsc. Não vamos a um tempo no Xatu Apraisal.- disse, com um tom de conclusão.-  Você pega alguns baús? Está pesado.

- Claro, eu levo a sua mala.- falou, enquanto rodou os ombros e os braços, ouvindo um estalar de ossos.

Sally terminou de arrumar sua cama, deixando-a lisa e o travesseiro alinhado. Depois, calçou os tênis vermelhos, se voltou para o espelho, pegando seu pente azul. Jogou o cabelo curto para o lado, como era o seu gosto e por fim suspirou confiante.

Ellie estranhou, pois Sally não tinha esse costume. Estaria ela tentando novos jeitos de fazer a rotina, como havia mencionado? Antes não arrumava tão frequentemente a sua cama, pois estava sonolenta de manhã. Era por volta do meio dia até as oito da noite que tinha muita energia. 

Então chegou a imaginar que, possivelmente, Sally estaria começando a se disciplinar. Estava fazendo as tarefas num ritmo próprio. Supôs que era a determinação de Sally a ser cada vez melhor. Ellie tinha algumas manias e para ela, era essencial para que tivesse um dia produtivo e com alto desempenho. Desde arrumar seu quarto, alongamentos, alimentação, tudo numa ordem que a fazia acordar rapidamente. Mesmo que nem todos os dias fossem assim, ela deixava sempre um dia de folga para dormir até tarde, depois ficar lendo noticias e descobrindo a sala de jogos da guilda.

Segundo ela, deveria primeiro escovar os dentes. Depois da higiene, arrumar o quarto, se trocar e por fim ir até a cozinha para o café da manhã. E novamente, escovar os dentes. Sally tinha o costume de fazer tudo diferente, cada dia uma ordem nova.

- Você descobriu a sua ordem diária?- indagou, cruzando os braços.

- Não. Ainda estou testando.- falou, colocando os fios rebeldes do cabelo para trás.

"Como? Como ela não descobriu? Ela tentou todos os dias!"- pensou..

- Mas, já faz mais de um mês.- Ellie disse.

- É, eu sei.- disse, olhando-a pelo reflexo do espelho.- E ainda assim, acho mais fácil bolar esquemas de batalhas do que criar uma rotina pra mim.

- Mas é bom te ver tentando. Acho que você chega lá.

Sally sorriu como resposta, mas logo voltou a arrumar seu cabelo. Sua franja não parava no lugar, pensou que o cabelo deveria ter crescido. Só não imaginou que tanto.

- Mano. -exclamou, olhando para a parceira.- É, eu tô um caco.

- Nossa.- se surpreendeu Ellie, dando um passo para trás.- Que astral é esse?

- Sei lá, eu acabei percebendo que algumas coisas que eu mesmo que eu faça, não é o suficiente.

Ela curvou os ombros, num movimento devagar colocando o pente na gaveta.

- B-bom, você faz muito bem a sua parte.- e ela se aproximou, dando um leve tapinha nas costas de Sally.- Eu as vezes sinto que não sou tão boa quanto você.

- Ah, vamos.- respondeu com ironia.- Você é mais esforçada que eu.

- Eu acho que você é mais talentosa que eu.- Ellie disse num tom bravo, segurando a alça da mala com mais força.- Com um pouco de pratica você já fica boa em qualquer coisa. Preciso treinar mais em combate do que você.

- Você esqueceu da vez que eu tentei cozinhar semana passada? Eu DESTRUÍ A COZINHA. Consegui queimar um parto dentro da pia, e não sei como fiz isso!

- Bom, verdade. - e Ellie segurou um sorriso no canto dos lábios. - Mas ainda acho que se você voltar lá, vai ficar tão boa quanto a Cailynn ficou.

- Nah.- acenou com a mão, como se sinalizasse para esquecer - Vamos pular essa parte. Você disse que temos mais baús do que lembrávamos, né?




Na grande barraca de Xatu, o descobridor misterioso, a dupla esperava ansiosamente pelo item no baú. A tenda tinha um cheiro característico de incenso, era um pouco mal iluminada e tinha uma grande mesa redonda, cercada de cartas coloridas e alguns pequenos baús de madeira com algum tipo de pó. No centro, com uma bola de cristal brilhante.

Não frequentavam aquele lugar havia algumas semanas. Toda vez que o visitavam, estava de um jeito diferente, seja com quadros decorativos (ou com algum significado simbólico), novos panos com padrões diferentes e curiosos, o cheiro do incenso. Segundo ele, todos deveriam fazer uma limpeza espiritual e energética sempre que possível.

O homem calvo gritou abruptamente, depois de ter feito alguns gestos estranhos com sua longa túnica e jogou as mãos para o alto.

- PROAAWAAAA! 

Só então se ouviu um "click" e o bau verde e amarelo se abriu. Ele se abaixou, erguendo o objeto acima da cabeça, refletindo no sol da manhã. Ele abaixou o item como se fosse algo precioso, começando a falar com uma voz grave e misteriosa.

- Este é um Def.Scarf. Ele aumenta a sua defesa, assim diminuindo o dano quando você recebe ataques do tipo físico.- e acenou a cabeça calva em concordância.- É isso.

Ellie pegou o item, avaliando-o. Era um lenço de cor amarela e não saberia dizer a diferença dela e dos outros objetos que tinham a terminação parecida. Como saberia diferenciar um Def.Scarf de um Pecha Scarf se não pela cor a na prática de combate?

- Você acha que a Explorer Badge reconhece os itens que pegamos? Como um glossário? Acho prático quando a gente não sabe o que é...- disse Sally, cruzando os braços.

Quando fez isso, ficou sonolenta e a cabeça começou a pender para o lado.

- É, tem razão.- terminou Ellie.- Obrigada pelo seu serviço, senhor Xatu.

- Me chamem de Senhor Supremo.- ele disse, erguendo a cabeça e juntando as mãos, que pareciam desaparecer nas mangas longas do homem.

Fez uma pequena reverencia e se sentou na sua almofada. Pegou seu cachimbo e começou a soprar, saindo bolhas de sabão.

Sally não prestou mita atenção, pois quando parava de se mover, é porque tinha sono. Com um tapinha nas costas vindo da Snivy, ela despertou e se levantou, agradecendo quase que automaticamente e saindo. Ellie curvou a cabeça em forma de agradecimento ao Xatu, não mais que isso e foi embora.


*


- O que vamos fazer hoje, Ellie? É um sábado bem bonito. - disse, antes de bocejar e se espreguiçar, levantando os braços para o alto, devagar.

- Estou pensando.- disse, colocando a mão no queixo.- Passamos a manhã inteira arrumando nossos itens, indo aqui e ali, vendendo a maioria deles. Ganhamos um bom dinheiro e nem sabíamos. O guia da Explorer Badge ajudou mesmo.

- Eu sinto vontade de gastar tudo em Milkshake.- e ela colocou as mãos atrás da cabeça, despreocupada.- Venha, vamos depositar nas nossas contas.

Quando chegaram ao banco do Duskull, esperaram alguns minutos sentadas nas cadeiras. O lugar havia mudado de uma pequena tenda a uma loja física e com ar-condicionado. Sally não gostava do ar frio, parecia seco demais, tampouco Ellie. Ao serem atendidas, um homem de cabelos cinzento as atendeu.

- Bom dia. Em que lhes posso ser útil?- disse cordialmente e Ellie quase sentiu uma pontada na coluna, não sabia o porque.

Apesar de ser apenas mais um Pokémon, havia algo nele que chamava a atenção. Talvez pela elegância e o estilo gótico, roupas que remetiam a eras e costumes que ainda não conhecia. O cabelo perfeitamente arrumado, a voz fina. Ele usava luvas e estava usando um dispositivo diferente. Era uma espécie de teclado, mas com teclas espaçadas e que usava um papel. Sally perguntou o que era aquilo, já que na última vez, não havia isso.

- Ah! É uma máquina de escrever. Eu digito as letras e tudo sai impresso nesse papel, sendo muito prático. O que acha dele, senhorita?

Ele mudou o tom de voz e até mesmo o modo de falar, parecendo mais relaxado. Sally pensou se tinha esse poder de fazer as pessoas se sentirem a vontade ou era mais uma bajulação do Duskull? Ellie começou a se irritar aos poucos. Afinal. da onde ele veio? Seu dia não estava conforme os planos.

- Eu e minha amiga queremos depositar essa quantia em duas contas, sim?

- Um momento.

O homem fez um gesto e uma sombra apareceu de suas mãos. Dali, ele puxou alguns papeis e uma chave, colocando-os em cima de sua mesa. Na mesa de madeira, que mais parecia uma obra de arte, ele pegou uma caneta de pena e começou a escrever. Perguntou valores a serem retirados e depositados. Ele chegou a falar de um documento, que estava para ser lançado e seria obrigatório a todos os habitantes.

- É uma espécie de cartão. Terá seu nome, idade, data de nascimento e origem. Recentemente tem vindo inúmeros Pokémon de outros continentes e em alguns casos, eles usam seu paradeiro desconhecido como vantagem, já que faltam mais informações. Mas com esse objeto as coisas podem mudar. Não é incrível ter documentos práticos?

- Como eles vão ser?- perguntou Sally, demonstrando interesse. - Como podemos ter um?

- Nós ainda trabalhos com papéis. Graças os inventores da Explorer Badge, há um novo tipo de... poder que é chamado de tecnologia. Com esse cartão, será muito mais fácil, útil do que usar papeis. Ao menos, para meus negócios, irá facilitar muito! Ouvi dizer que Pokémon do governo irão de casa a casa interrogando os habitantes... Minha prima deu a luz a uma linda Duskull, que já recebeu esse cartão de identidade.

- Sério? Será que vai funcionar? - perguntou Sally, se virando para Ellie.

- Quem inventou a Explorer Badge? - a outra garota perguntou.

- Um casal, muito inteligente por sinal. Não entendo como, infelizmente. Mas descobri que eles moram na cidade principal. É deveras longe, mas talvez a jornada valha a pena.

- Entendi. Que legal, isso vai ser mais útil do que usar papeis e essas coisas né? Eu quero dar um abraço neles por isso! - Sally se exaltou, batendo as mãos.

O homem sorriu e voltou a fazer algumas perguntas. Quando terminaram de depositar os Poké-Dolares, ele agradeceu com um aperto de mão e uma reverência.

Alguns passos depois daquele lugar chamativo e luxuoso, Ellie cruzou os braços. Tinha algo naquele homem que a deixou inquieta. Pensou se ele não estaria roubando seu dinheiro e disso, fazendo suas próprias artimanhas. Afinal, ainda era tudo por papel. Quem poderia ter certeza que depositou tal quantia e na hora da retirada, se ela fosse diferente?

Mas chegou a conclusão que, se toda a vila confiava nele, talvez valesse a pena tentar. Ainda estava suspeita, mas tentou não pensar nisso.

- Ei, por que a cara emburrada? Vamos pegar um Milkshake e almoçar na Guilda!

- Porque o Milkshake vem primeiro?

- Ah, você prefere antes E DEPOIS?- berrou, tão feliz que suas mãos e pernas tremiam.- NOSSA, ESTOU FELIZ.


*  *



Na guilda, Maya se levantou abruptamente de sua cadeira. Ela segurava sua maçã dourada, ainda intacta. Decidiu-se.

Abriu a porta, quase quebrando a maçaneta com tanta ansiedade e todos que estavam no salão se assustaram, ou deixaram cair suas coisas caírem no chão.

- Alô pessoal! Ainda bem que todos estão aqui. Gostaria de fazer um anúncio! Charles, pegue as cornetas e os confetes.

- Sim, Guildmaster.- falou com uma voz rouca, um semblante sério. Ele carregou uma caixa de fogos de artificio e entre outras artilharias de festas.

Ele se posicionou, ajoelhando ao lado de Maya, pronto para girar o bastão.

- Nós todos vamos em uma exploração!

PROOM e confete foi jogado, caindo no chão, mas o barulho surpreendeu todos. Após a noticia, os membros da guilda sentiram mais  interesse nos artigos de festa do que a própria exploração.

Bidoof, estava impressionado com os fogos, com seus olhos brilhando e as mãos tremendo de excitação. Embora seus colegas ao redor tivesse um certo receio de se aproximar, já que poderia facilmente explodir.

- Ei, crianças.- disse Charles, cerrando os olhos. - Esses não funcionam.

Aliviados, eles se aproximaram mais do jovem, que ofereceu o objeto, como se fosse algo muito valioso, mas animado por compartilhar.

- Não é legal?? Eu adorei, poxa vida, poxa vida!!

A Wigglytuff se aproximou devagar, remexendo nos cachos encaracolados de Heitor. Ele corou e abaixou a cabeça, constrangido pelo carinho.

- Charles comprou esses para usarmos hoje! Mas foram poucos... Se fosse por mim, teríamos um festival de fogos de artificio agora mesmo! Alice, quero um quentão e uma pamonha pra hoje, sim?

- Pode deixar! - e a Chimeco, junto a Riolu, rumaram para a cozinha.

- O festival é daqui a duas semanas. Mais ou menos. - Louis falou, cruzando os braços. - Vai ser muito barulho...

Sunflora se aproximou com um sorriso maligno, como se fosse aprontar algo com o Loudred.

- OH MEU ARCEUS. Louis, você não superou seu medo pelos fogos? - deu uma cotovelada, não se importando que fora forte demais.

- OUSH, MULHER! - gritou com raiva, se curvando baixo, abraçando a própria barriga por sentir dor.

- Louis tem medo de fogos? - perguntou Ellie.

- O que é quantão? E pamonha? O que esse tal de "fogos de artifícios"?

Todos fizeram silencio, olhando para a Totodile. Ela ficou surpresa de tantos olhares de uma vez só, mas reuniu coragem e tentou falar novamente.

- É que eu não sei... É algo tão diferente assim?

- Minha nossa Sally.

Maya se aproximou, estendendo os braços longos para ela. A abraçou com carinho, enquanto a Totodile continuava sem entender nada.

- Aqui, aqui minha jovem. - consolando ela, deu alguns tapinhas nas costas.

- O festival é daqui a duas semanas é um evento anual, sabe? Vai ter muita barraca com jogos e culinária, apresentações e danças.- A Snivy falou, tentando ser o mais franca possível.

- Culinária. E na culinária tem... - e Maya a soltou do abraço. - Você disse espetinhos Ellie?















Notas da Autora #20



Mas olha só quanto tempo. Passou de novo né, que coisa :v

Eu tenho tentado escrever, agora pouco que minhas férias começaram né, e já tenho um monte de coisa pra fazer. ;-;

Em questão do capítulo, vamos lá, spoilers.


* * * *

Eu quis dar a entender que Sally é como um réptil, sabe? Ou um tipo de réptil, ou então criando um novo bicho que se enquadra por ai. Ela é meio zonza de manha e de noite, coitada, só funciona em período integral. Huah.

Ellie também não gosta de coisas má feitas e está se tornando aquele tipo de pessoa corrompida pelo sistema que a fez se ornar mais responsável. Mas olha só. ( ͡° ͜ʖ ͡°)( ͡° ͜ʖ ͡°)

E eu nem tinha comentado sobre baús, era como se eu só tivesse jogado as coisas, eu realmente não gosto de ler e escrever começos. Ah, assim como a mudança de algumas lojinhas! Achei que seria bom, quem sabe se aprofundando aos poucos nos outros personagens! (inclusive to devendo desenho até hoje, :v)

O fato é que vai começar aquela coisa bem doida no jogo, que é a exploração. A quem jogou, tem uma ideia do que pode vir a acontecer, e aos que não jogaram, tudo bem! Vou mudar algumas coisas mesmo, nyeheheeheheh. ( ͡° ͜ʖ ͡°)( ͡° ͜ʖ ͡°)


E não tem muito mais o que dizer por aqui, (exceto que meu note não funciona como antes, só contribuindo mais para minha vontade de procrastinar) então boa leitura!



Notas da Autora#19



YEY! Segundo capítulo desse ano!

Achei interessante trabalhar nele. Mostrar um POV da Maya e um de Ellie, e que ficasse interessante e trazer mais elementos pro futuro. Ainda estou planejando e escrevendo aos poucos. Aos leitores, agradeço por me acompanharem até aqui.

Vamos ao capítulo!

Primeiro, temos Maya na sua salinha. A historia dela poderá ser contada assim, ou nos próprios capítulos dela. Eu acho bem legal, e poder dar umas modificadas ou escrever algo nada a ver com o jogo. ADORO.

Ela é danadinha ( ͡° ͜ʖ ͡°)( ͡° ͜ʖ ͡°) (e Charles um Tsundere)



E Ellie! Ela teve que decidir o que fazer. Se desespera facil, ou então fica com muita raiva. São dois lados da mesma moeda, e ela não consegue pensar mais a frio como Sally. Mesmo ela sendo mais logica e sistemática, numa hora dessas ela pega fogo. :v



E é isso, muito obrigada por lerem! Até a próxima.


Capítulo 19: Apple Woods






Maya não teve uma boa noite de sono havia alguns dias.

Pensou que poderia ser decorrente da presença do sobrinho, que andara provocando os membros da Guilda. O que poderia fazer?

Ele era um jovem que precisava de disciplina, é claro. Mas nem sua irmã conseguiu lidar com ele. Maya se ofereceu para ajudar na educação que sua irmã não conseguiu. Por que ele era tão indisciplinado? Pensou em alguns métodos, mas parecia que não funcionavam. Desde de pedir pequenos favores, como seguir as regras da Guilda. Maya mesmo explicou as mais básicas e importantes. Saberia que se Charles desse as instruções, ele provavelmente se irritaria ou dormiria no inicio. 

Maya estava disposta a não desistir dele.

A Guildmaster acreditava que a maldade não existe nos Pokémon. Talvez eles fizessem isso por outros motivos. Viajara muito antes de se estabelecer com sua Guilda com Charles. Ela acreditava que todos eram bondosos, mas por motivos como poder, egoismo e raiva eles acabassem por deixar essas emoções a tona. Acreditava que não era preciso ter essas emoções ruins, que apenas trazem infelicidade ao que estão ao seu redor. 

Por isso, sempre sorria, vivia alegre e feliz. É claro, havia situações que não haveria como contornar, ou que alguém simplesmente não quisesse a sua ajuda. Mas não era o caso de Alfonse.

Maya sentia algo a mais, que ele queria ajuda. Não somente ele, mas parecia que sua Guilda atraia certos tipos de Pokémon que precisavam de ajuda. Porém é claro, as coisas não podem se sustentar sozinhas. Nesse sistema, ela e Charles tentavam driblar algumas coisas. Precisavam manter a Guilda na ativa, manter a moral dos integrantes, custos. Se oferecessem as principais necessidades (uma casa, trabalho, alimentação e cuidados médicos e segurança) pensou que, talvez, não seria de tão mal tomar o resultado do trabalhos dos integrantes. 

Percebia que Ellie e Sally reclamariam muito que suas recompensas fossem minimas, mas logo elas também perceberam que não precisariam se preocupar com tantas coisas se não estivessem numa Guilda. Pelas regras, elas poderiam sair da Guilda quando se graduassem. E ainda poderiam permanecer se quisessem. Não somente elas, mas todos da Guilda.

O que os mantinha ali? Pensou várias vezes. E todas as respostas foram diferentes, até chegar a uma conclusão. 

Eles gostavam de estar ali. Unidos como uma família, criando laços fortes, se unindo para manter o seu dia a dia. Era assim que os Pokémon evoluíam.

Se inclinando para frente, a cadeira rangeu e saiu de seus devaneios matinais. A mulher de cabelos rosados havia tarefas a serem compridas, e isso tomaria boa parte de seu dia.

Respirou fundo e sentiu algo crescente em seu corpo- como uma energia alegre. Sorriu novamente e arrumou os papeis, com um novo vigor que a fez terminar logo, arrumando as pastas e outros documentos.

Num momento de distração, Maya contemplou seus tesouros, lembranças de anos de aventura. Pedras, pedaços de mapas, cristais. Até mesmo algumas coisas que nem sabia, mas guardava pelo carinho. Avistou seu Defend Globe, um item que trazia suas memorias a tona. Pegou o objeto frio, sentindo sua textura e peso, e o abraçou.


Suspirou, se tranquilizando, relaxando seus ombros. Deixou o objeto em sua caixinha, a deixando aberta como sempre fizera. Voltou aos afazeres da Guilda, começando a limpar sua Sala. Pegou uma vassoura, panos e alguns outros produtos de limpeza. Cada gesto era cronometrado e calculado, como se fizesse aquilo por anos, e cantando uma canção de anos vindouros. 

Algum tempo depois, terminou de limpar sua sala. Afinal, não gostava de sujeira. Viu uma sombra no chão da porta, e supôs quem seria. Se aproximou devagar, ainda cantarolando, medindo seu tom de voz, diminuindo quando chegou perto. Abriu-a rapidamente, que ate a mesma foi para trás. 

Charles apareceu, surpreso e com um olhar assutado. Tão assustado que, deixou sua caderneta cair, assim como suas canetas.

- M-me perdoe, Guildmaster!- E se abaixou para pegar os itens, rapidamente. Ele tinha um rubor nas bochechas, o que o fez se abaixar mais o rosto, cobrindo com o seu cabelo.

- Oh, Charles?

- S-sim, Guildmaster?-Perguntou, já de pé e arrumado.

- Eu gosto do seu cabelo solto... Por que não usa ele assim mais vezes?

- J-já conversamos sobre isso, Guildmaster.-Disse, desviando o olhar.

A mulher de rosa se aproximou, e por ser mais alta que ele, o olhou de perto, na tentativa de esconder seu rosto, Maya o encarou ainda mais, colocando as mãos na cintura. Com um sorriso vitorioso no rosto, ela se aproximou e o beijou na bochecha. 

Estático, ele sentiu um arrepiou e começou a falar mais ativamente.

- M-mestra, não pode!

Ela sorriu presunçosamente. Acariciou a cabeça dele, que ficou sem reação, e possivelmente mais corado.

- Continue o bom trabalho, Charles. Nos vemos no almoço, sim?

- Claro.- Disse, com toda a sua coragem restante. Ele fez uma reverencia, e depois deu meia volta, caminhando pela Guilda. Ela o observou ir até aos dormitórios, como se estivesse perdido. Sabendo a rotina dele, hoje ele deveria conferir os quadros de Quests. Mas bem, ele poderia fazer isso outra hora.


* * * 




- DESVIA, DESVIA SALLY!- Berrou Ellie.

A Totodile sentiu um arrepio na espinha, e tratou de se virar o mais rápido que pode, mas não foi o suficiente. O Beedrill raivoso acertou de raspão o seu braço, rasgando seu blusão azul. Sally aproveitou a chance de estar atrás dele e chutou, um golpe tão forte que seu pé doeu com o impacto.

O Pokémon guinchou, caindo derrotado no chão.

- Por Arceus! OBRIGADA ELLIE!

Sally andou apressadamente na direção de Ellie, que também derrotara um outro Pokémon, que desapareceu. Ela colocou as mãos na cintura, numa pose de reprovação.

- Você está bem distraída hoje.- Disse, cerrando os olhos.- O que foi?

Sally pareceu se incomodar com a pergunta de Ellie. Parecia invasiva e muito obvia até demais. Sups que, agora que não havia sinal de outros Pokémon por perto, conseguiu relaxar os ombros. O gesto doeu, e colocou a mão na ferida.

- Ai ai!- Reclamou, dando alguns passos para trás.- Nossa, isso doeu. Ei, oque é isso? Tá meio roxo... E... Sangrando...

A garota olhou a própria mão coberta de sangue. Seus olhos arregalaram e tentou falar algo, mas recuou alguns passos para trás, como se tentasse esconder algo da Snivy. Por um tris, Sally não sentiu mais as suas pernas, e sua visão foi falhando. Tombou e caiu no chão.

- Sally!

A jovem de cabelos verdes se agachou, segurando sua cabeça no colo, enquanto os olhos de Sally ameaçam a fechar.

- Eu acho que você foi envenenada. E paralisada. Meu Arceus que dia de sorte...

- Beedrills podem fazer essas duas coisas ao mesmo tempo?!

- Sei lá Sally! Mas olha o seu braço, o que eu faço?!- Disse em desespero, a voz ficando mais aguda.

-E-eu não sei! Mas tá doendo... E não consigo me mexer!- Reclamou, com a boca errada.

- Nós.. não temos mais as Berries para isso... Eu só tenho esse Reviver Seed.

Sally não conseguiu mais falar, apenas abrir a boca e rosnar. Estava brava pela própria ignorância, de ter deixado itens essenciais como esse para trás, apenas para pegar mais itens e vende-los.

- Sally... Por favor, me diz, o que eu faço? Eu posso sair e te deixar com um Reviver Seed, enquanto procuro algum antidoto e-

- N-não sei...- Disse entre os dentes, o corpo começando a tremer.- Vá pegar sozinha as Apples.

- Oque? Não! E se você desmaiar? Voltaremos para a Guilda sem nada e de quebra perdemos itens!

Sally fechou os olhos, sabendo que não mudaria de resposta. Sua teimosia tinha um ponto: quanto mais rápido Ellie pegasse as Apples, sairiam dali a tempo de voltar antes do jantar. O que seria delas de Maya não tivesse as Perfect Apples? Talvez nada. Ou talvez ela chorasse ao vivo, sendo sensível quando o assunto era Perfect Apples.

Não sabia e não queria arriscar seu pescoço, e de quebra, falhar numa simples missão.

Pensando novamente em seu plano, sabia que não era 100% eficaz. E se algum Pokémon visse Sally indefesa e se aproveitasse? Roubasse seus itens ou então dar um golpe final?

Seria sensato dar o seu Reviver Seed  para Sally. Mas e se achasse uma Pecha Berry? Elas mesmo tinham que ter jogado fora algumas delas, por haver muitos outros itens na mochila. Reviver Seeds eram raros e muito caros de se achar, principalmente para Pokémon de seu Rank e com seu número de Dungeons ainda restrita. Tivera sorte de achar um deles até agora.

Ellie deixou o Reviver no colo de Sally. Decidiu que usaria sua Luminous Orb, e com sua Explorer Bagde, tentaria chegar até os itens. Se Sally desmaiasse, teria o Reviver Seed, mas do contrário, se achasse uma Berry-

"Não! Estou enrolando demais tentando achar um jeito! Droga, Sally, eu sei que você não faria isso! Você é muito leal..."

E imediatamente já sabia a resposta.

Olhou para baixo, vendo a respiração de Sally acelerar e a ferida ficar ainda maior. O rasgo da blusa estava cheio de sangue e de um liquido vermelho. Deveria limpar, pois mesmo que Sally se curasse, poderia haver o risco de ficar envenenada de novo. Venenos de Beedrill eram fortes por já estarem na sua forma liquida e entrarem na pela mais rapidamente.

Pegou um spray pequeno, molhando-o o pano extra e se pós a limpar. Seria mais fácil se tirasse a blusa, então puxou devagar a blusa da garota.

Notou que, nos braço infectado, a região ficou num tom roxo, e o corte inchado. Sua respiração acelerou, e tentou pensar no que deveria fazer.

"Sim, eu limparei sua blusa enquanto espero você desmaiar e usar um Reviver Seed. Realmente, a ideia de te ver agoniando é muito boa!"

Ellie já sabia de tudo isso. Mas com seus pensamentos a mil, suando e tremendo, não sabia chegar a uma conclusão concisa. Ficou com raiva, e isso apenas piorou.

Tentou achar outra alternativa. Bateu no rosto de Sally com alguns tapinhas, mas os olhos se fecharam e a cabeça tombou. Sentiu o pulso, e ainda estava viva.

"Droga!! Eu tenho Oran Berries, mas isso só vai atrasar o desmaio dela!"

Mas Ellie também não queria ver Sally esperando para desmaiar. Era sofrido, e via as veias do braço pálido da garota ficando roxas.

"Eu.. só posso esperar. E deixar o reviver Seed com ela. Mas poxa... Ela está sofrendo..."

Sabia que no fundo, deveria dar valor a sua amiga mais do que qualquer um que conhecera. Sua inesperada aparição mudou sua vida, virando-a de cabeça para baixo, e tornando seu sonho realidade: explorar Dungeons. Portanto, não a deixaria de lado.

Sally estava impotente naquele momento. Tão indefesa, que qualquer Pokémon poderia vir e derrota-la, ou até mesmo roubar seus itens.

Deixou o Reviver Seed nas mãos de Sally, e colocou a sua mão livre em cima delas. Com a outra mão, segurou atrás de sua cabeça. E torceu para que não tardasse que Sally acordasse.


*



Enquanto esperava pela angustiado desmaio de Sally, acabou se lembrando de algumas lembranças.

Quando era menor, se lembrava da sua irmã pegando no seu pé para que ela aprendesse os cuidados básicos e primeiro socorros. Era chato no começo, pois não entendia muito, e ao ver alguém sofrendo, ficava em pânico. Ser raptado, por exemplo, é algo que subia em sua cabeça, tão fácil. Mas ver alguém querido sofrendo, era ainda pior.

E que nas horas que ficava sozinha, lia vários livros, e percebeu que, queria conhecer o mundo. Mas teria que lidar com as consequências, e o melhor seria saber lidar com elas. Por isso, aprendeu com afinco tudo que lhe fora ensinado.

Em algum momento da sua vida, ela percebeu que tinha uma pedra, e que tentava guardar de todo modo. Não se lembrava de como ganhou, era como se sempre estivesse ali.

E subitamente, ao tocar sua pedra, sua cabeça começou a girar e girar, um enjoou forte tomou conta e quando percebeu, tudo ficou preto.

"Não! Isso de novo não..."





Era um lugar diferente. Parecia que havia saído dos livros de fantasia, com todas aquelas árvores, construções e aquele pedestal enorme. O céu era de um azul belo, como se não tivesse visto nada disso antes. 

Mas estranhamente, tudo começou a ficar acinzentado.

As pedras que adornavam o chão e faziam terminações inteligentes, era de um mármore claro, porém ficou cinzento. Algumas erva daninhas surgiam por entre as frestas. Os pilares estavam manchados pelo sol, e havia muitas folhas secas no chão, cobrindo parte do caminho. Os degraus, estavam com poeira e  sujos também, com uma camada preta onde havia conexão com outras partes do monumento. Parecia que ninguém visitava esse lugar a muitos anos e anos.

Não sentia o cheiro, calor ou frio, e muito menos a energia das árvores, como quando estivera em Apple Woods.

Sentiu uma sensação estranha em seu estomago, algo como dor de barriga. Sabia que algo estava por vir...

Por um momento, viu a sua irmã, na sua frente, confrontando alguém bem maior que ela, e com uma aura sombria tão forte. Ela estava em desvantagem, e gritava algumas coisas, mas seu oponente- praticamente as sombras- não recebia quase nada de dano. Até que ele desapareceu, os rastros evaporando no ar conforme giravam.

Ela estava exausta, e sua arma fincou no chão, segurando-a de cair totalmente.

- Irmã!- Gritou, correndo na direção dela. 

A outra começou a se erguer. Mas quando tocou seu ombro, sua mão atravessou o nada, e a imagem de sua irma tremeluziu. Não era real.

Atônita, ela quis sair do sonho. Do que adiantava estar ali se não era real?

Ela estava prestes a chorar quando a sombra apareceu novamente, e engoliu as duas por inteiro.





- IRMÃ!-Gritou, voltando a realidade.

Ela tentou se recuperar, medindo a respiração, e não pensar em nada. Mas suor escorreu pelo seu rosto, e começando a misturar com as lágrimas. Ela não se lembrava disso. Poderia ser uma memória? Ou apenas um sonho?

- N-não, não pode ser. Eu sei que... Eu sei que não!- Disse para si mesma, tentando se convencer.

- Heya, Ellie, o soninho tava bom, mas por que cê ta chorando?

Ellie enxugou as lagrimas, se aliviando a escutar a voz de Sally. Olhou para baixo, e percebeu que ela ainda estava deitada no seu colo.

- S-ally? Você está bem?- perguntou, fungando.

- Eu tô ótima na verdade! Uma sonequinha era tudo que eu precisa!- Falou, mostrando um sorriso afiado.- Quanto tempo se passou?

Sally se levantou e espreguiçou os braços, e ofereceu a mão para Ellie, que percebeu que suas pernas estavam dormentes. Com um pouco de esforço, ela se ergueu também, ainda instável.

- Eu não sei. Eu meio que tive um sonho estranho também.

- Que ótimo! Sonhos estranhos me deixam mais animada pro dia a dia, cê não acha?

- Não. Definitivamente não.

- Ah, bom. Tudo bem.- Se conformou, mexendo a cabeça para frente.

- Você está bem mesmo? Digo, não sente algo estranho no seu corpo, como um veneno?

- Que nada! -Disse, olhando para o blusão.- Nossa, isso aqui foi um estrago e tanto! E de todo modo... Obrigada por ter cuidado de mim! Acho que você fez a escolha mais sensata! Valeu mesmo, Ellie. E depois, vou pedir ajuda pra Teresa. Isso aqui não vai arrumar sozinho como nas outras vezes.

- Tudo bem, Sally.- Suspirou pesadamente, abaixando os ombros, que mais pareciam levar tijolos nas costas.- Eu só pensei no que você faria. Acho que você não me deixaria assim.

- É, não mesmo.- Sorriu com carinho, voltando a vestir a blusa.- Você teve um sonho bem doido né? Você me conta no caminho. Vamos correr, se não Charles vai acabar com a gente!

Com um animo revigorado, Ellie concordou, e seguiu Sally, para a ultimas salas da Dungeon.




("Ow me conta ae Ellie, qual cê acha que vai ser o rango de hoje?"

"É serio Sally?")
























Notas da Autora#18




AHA NÃO CONTAVAM COMIGO AQUI ANTES DESSE ANO NOVO. AHA!
Faltando agora umas pouas horas pro ano novo, eu não vou deixar mensagem nova. Afinal, vocês devem receber muitas mensagens do seus grupos de família no Whatsapp. Logo, eu também não bolei nenhum discurso.





Mas é isso, vamos falar do capítulo. 





Acabei dedicando muito tempo nele. Tentando refinar, escrever melhor. Mas deu no que deu. Bom ou ruim, eu escrevi com afinco.

Acabei interagindo mais com Croagunk. Ela/Ele, ainda não decidi qual gênero e sexo definir. Talvez eu não defina também. Acabou por ser um Pokémon tímido, um pouco rude, mas que no final, sempre se preocupa com os outros (ou em salvar a sua pele?). Seu pai é um Sawk. Bom, ao menos acho que deu pra entender. XD

Na parte de Ellie, acabou por sendo algo de ultima hora. Mas gostei. Os irmãos KLO são importantes, e acho que não deveriam ficar só no inicio da história. A mãe deles é uma Mightyena Shiny. Eu gosto de Pokémon Shiny, mas talvez não é todo mundo que goste né?

E acabou sendo por isso. Gostei de fazer algo diferente, que pode ocorrer coisas parecidas nos próximos capítulos. *DUNGEON INTENSIFIQUES*




Enfim, gostaria de dizer um bom ano novo. Yey.

Até a próxima!



Capitulo 18: Meia Noite





- Sally, eu não quero explorar hoje.

E foi com essas palavras que Sally levou um susto, pela primeira vez há um bom tempo.

Sally era energética, não aguentando ficar parada por muito tempo. Estava acostumada com as surpresas das Dungeons que frequentava, e até mesmo se sentia cansada por explorar o mesmo lugar várias e várias vezes, salvando Pokémon, achando itens. Ela realmente queria partir para uma ação maior.

- Ué, por que?

A Totodile se virou, segurando sua mochila nas mãos, como se estivesse ansiosa demais para começar o dia.

- Eu simplesmente... Não estou com vontade.- Respondeu.- Fizemos outras Quests até nesse fim de semana e eu estou exausta.

A garota de cabelos verdes falou, como se não houvesse animo em sua voz. Olhando mais atentamente, Sally viu um traço de baixo dos olhos da Snivy, um pouco escuros. Talvez ela não tivesse ido dormir bem noite passada, afinal. Ou simplesmente tivera sido uma semana bem cansativa para Ellie, emocionalmente.

- Sabia que sete dias trabalhando sem descanso faz mal?- Ela disse, se enrolando no cobertor.- Eu acho que vou fazer fotossíntese mais tarde, ainda não é nem nove horas.

- Somos favorecidas por poder trabalhar as oito horas da manhã.- Disse Sally, deixando a mochila na cama e se alongando.- Parece que as pessoas até acordam de bom humor.

- Menos o Louis.- E Ellie reprimiu um riso.

- É, menos o Louis.- Sally concordou, não deixando de sorrir ao se lembrar do Loudred, que gritava praticamente todas as manhãs depois das oito e dez.

Ele era tão rigoroso nas tarefas quanto Charles. Sempre era o primeiro a acordar e o ultimo a dormir, conferindo as tarefas, como segurança (que ele mesmo projetou) e o portão. Apesar do semblante sério, Sally sentia vontade de rir ao ver um Pokémon daqueles ser tão rígido. Havia conhecido um Whishmur semana passada tão alegre que se perguntou se espécies de Pokémon não teriam similaridades, como sempre serem sorridentes e alegres. Aparentemente não.

- Ei, hum, então eu direi ao Charles que eu faço trabalho dobrado hoje. Certo?

- Queria ter essa vontade hoje.- Disse Ellie, baixinho.



*



Sally fez sua rotina normalmente.

Mas notou que, não era apenas Ellie que estava desmotivada hoje.

Heitor estava distraído, mas de cabeça baixa, como se olhasse o chão e para nada mais. Quando trombou em Louis, o Loudred não gritou com o jovem Bidoof como sempre fazia. Apenas murmurou algo e saiu, trancando-se na sua sala.

Viu Teresa, a mulher Sunflora que com seu avental, saiu da Guilda sem sorrir. Até mesmo o jovem Corpfish, que com sua estatura alta e magra, não falava mais sua tipica frase "Hey hey hey", para qualquer vez que se misturava em conversas com outros exploradores que ficavam no segundo andar, pegando missões.

Terminado seu café da manhã, Sally concluiu até mesmo que a cozinheira Alycia e sua nova assistente, Cailynn, estavam desanimadas. Mesmo sendo a primeira semana da Riolu, ela estava com uma face amuada, como se tivesse comido pão molhado.

Sally não sabe o que levou a esse pensamento, mas achou engraçado juntar pão e água.

"Comer separado deve ser até bom, mas pão molhado ninguém merece né?"

Saindo da cozinha e indo para o salão, conseguiu ouvir seus próprios passos de tão silencioso que o lugar estava. Não havia Pokémon passando por ali, nem mesmo para a pequena tenda de Shimezo, que esboçava sua reação todos o dias, a mesma. Não sabia dizer se estava feliz, triste ou preocupada. Isso dava arrepios em Sally, por não saber ler reações de alguém.

A tenda de Croagunk era similar aquelas tendas como Treasure Town havendo um formato do rosto do Pokémon que atuava naquele lugar. Era um ambiente um pouco escuro, com varias prateleiras e potes (sabe-lá o que tinha dentro), outras caixas, e itens que Sally nunca tinha visto e reparado até o momento. No centro, havia um caldeirão com um liquido verde dentro, soltando bolhas pesadas que se desfaziam no ar, soltando um liquido verde e gosmento. Mas o cheiro não era ruim, ao menos.

A jovem tentou se aproximar da Croagunk, que apenas a olhou, virando sua cabeça devagar enquanto mexia em seu caldeirão. Ela piscou lentamente, como se fosse um sinal para a Totodile dizer algo.

A Totodile então se sentou em um dos bancos, e moveu sua mochila para o balcão. Remexeu sua mala, nos vários zypers e bolsos até achar um item novo, que ela mesma não sabia para que servia. Era uma especie de placa esverdeada, que continha algumas estranhas palavras, em forma de Unows.

A Croagunk pareceu se interessar por um momento, parando de mexer a colher do seu caldeirão e ficando a frente de Sally. Como se fosse um predador,  com olhos brilhantes e o corpo parado. Sua bandana escondia metade de seu rosto, e havia um sorriso como estampa. Sally não se sentiu ameaçada, afinal sabia que Shimezo não faria nada demais. Provavelmente.

- Posso pegar?- Disse o Pokémon do tipo veneno, por entre a sua bandana.

- É claro.-E ofereceu o item.- Você sabe pra que ele serve?

Shimezo começou a analisar, levantando o objeto até a luz, dando alguns petelecos e por fim começou a ler.

- É um Bulbasaur Claw.

- O que isso quer dizer?- Perguntou, segurando a cadeira mais fortemente.

- É um item que aumenta o seu ataque moderadamente.- Disse rapidamente.- Eu sei que há de diversos Pokémon. Se você não é um Bulbasaur, não servirá de muita coisa.- E devolveu a Sally.

- O que eu posso fazer com isso? Já que... Não sou um Bulbasaur?

- Você pode vender para mim, como para qualquer outra loja que aceitar comprar esse item. Ou então trocar com outros aventureiros. Você não é a primeira que tem esse problema.- Suas falas eram rápidas e apressadas, como se tivesse algo a ser feito, e para agora. Até mesmo seus gestos com as mãos eram rápido e precisos.

- Hum... Não tem um jeito de repente anunciar todos os itens que não queremos e o Pokemon interessado entrar em contato com a gente?

- Bom, há um modo.- Respondeu, abanando os ombros.- Existe um meio.

Por alguma razão, essa frase deu calafrios a Sally.



* * *


Ellie conseguiu por fim se levantar da cama. Não usou mais os cobertores, pois tamanho era o sol que entrada pela janela que sequer precisou se esquentar. Se sentiu bem depois de mais algumas horas de descanso, a ponto de se espreguiçar e sorrir.

- Bom, é melhor começar o dia tarde do que não começar, não é mesmo?

Mas subitamente um sono a ameaçou novamente, e ela se sentiu tonta. Como se sua cabeça girasse, seu corpo não respondia mais aos seus movimentos. Sentiu raiva de si mesma, e se forçou a levantar e começar a sua rotina.

Entre alguns rosnados e até mesmo socos no travesseiro, Ellie se sentiu um pouco mais revigorada. Não tardou para que ela saísse da Guilda, descendo rumo a Treasure Town.

Caminhando pelas ruas, sentiu o sol a aquecer, e uma facilidade dentro de seu coração. De algum modo, ver os Pokémon dessa vila a deixava feliz, mesmo que não interagisse com eles.

- Hey, Ellie!- Ouviu uma voz vindo atras de si.

Então, duas pequenas crianças se aproximaram, correndo a toda velocidade, até parar perto da Snivy, que sorriu sem perceber.

- Oi Ellie!- Disse Carl, o Poochyena.

- Carl, Harold! Faz muito tempo que não vejo vocês!- E ela se agachou, afagando a cabeça de ambos.- Como estão indo?

- Nós viemos fazer comprar para a mamãe!- Falou o outro irmão, tão feliz que sequer conseguia se conter de emoção. Seu corpo tremia e seus olhos estavam tão brilhantes que sequer piscava.

- Oh? Bom, eu estou livre hoje. Posso ajudar vocês?



* * *



Sally sabia que em um instante estava no salão da Guilda Hopes and Dreams. No outro, estava a caminho de um lugar desconhecido em baixo da terra.

Croagunk quis mostrar esse lugar a ela, logo Sally concordou. Porém, quando atravessou a loja e viu Shimezo puxar uma lona do teto, cobrindo a loja, sabia que o motivo de fechar era importante. Assim que terminou, abriu uma pequena porta no chão, mostrando um alçapão escuro, podendo ver até os primeiro sete degraus.

- Pronto.- Disse de um modo sistemático.- Agora podemos ir.

E desceu a escada de madeira, quase não emitindo som. Nem mesmo o ranger que escutava quando estava nas escadas de madeira da Guilda. Sally apenas seguiu, desejando que fosse uma nova aventura.

Descendo, descendo mais e mais, naquela escuridão, Sally considerou em pegar sua Explorer Badge. Por que Shimezo não usou lanterna? Não que ela tivesse medo de cair numa escadaria escura...

- Ei, tudo certo em usar uma lanterna?

- Não.

Sally ficou surpresa pela resposta direta e fria, sentindo um calafrio percorrer sua espinha. Ela então não comentou mais nada.

- ...É porque estamos perto. E luzes no escuro... me incomodam....- Ouviu, não parando de descer sequer uma vez, apoiando sua mão na parede. Shimezo falou baixo, como se estivesse triste.

Por fim, ambas se encontraram quando a escadaria chegou ao fim. Pareceu a Sally que levou muito tempo apenas para uma descida. A Croagunk então se mexeu, e não a viu por causa do escuro. Quando estava para perguntar aonde estavam, Shimezo a chamou.

Ela então puxou uma corda e luzes apareceram pelos corredores, penduradas nas paredes, como tochas. Haviam várias, de diversas  cores, tamanhos, como num festival, as escuras. Não eram muito fortes, e algumas piscavam de tempos em tempos, ou então simplesmente apagaram.

Os corredores de pedra pareciam não ter fim. Já o chão, era um lugar de terra seca, com um ar estranho e cheiro incomum. Não tinha o mesmo ar que Dungeons, como quando fazia seus trabalhos.

- Por aqui.- Disse simplesmente depois que se virou e começou a andar.

 "Pra onde iremos? Você não faz nada de errado, não Shimezo...?" pensou em perguntar. Mas assim saberia que toda a graça acabaria. Afinal, era uma aventura onde não se sabia oque viria a seguir, certo?

- Não vamos demorar muito. Ah, e cuidado com.... Os seus movimentos.

- Movimentos?

- Sim. Apenas deixe que eu... resolvo essa coisa de vendas.


A medida que o tempo passava pelos corredores, a curiosidade de Sally aumentou. Aumentou ainda mais quando ouviu outros passos alem delas e por fim, uma sala escura com uma porta azul no centro. Era fria, e tinha apenas uma lampada no centro, que também estava fraca. Shimezo bateu duas vezes na parte de cima da porta de metal, depois três na parte esquerda e por fim um soco na porta. Uma pequena fresta de aço se abriu e dois olhos surgiram.

- Qual é a senha?- Perguntou uma voz rouca, como se ecoasse pelos cantos da sala.

- Ensopado de Magikarp.- Disse, tão rapido que Sally mal conseguiu ouvir direito.

E a portinhola se fechou, e sons de destrancamento se ouviram do outro lado, um a um num ritmo extremamente acelerado, que a porta foi aberta logo em seguida.

- Entre hoje, Eizshom.- O homem de terno falou, antes de acenar para Croagunk e Sally.

- Vamos.- Sussurrou Shimezo, começando a andar por outro corredor.

Sally ouviu vários tipos de som, mas havia barulho em geral. Como se tivesse muitas pessoas aglomeradas.

- Chegamos. Não saia de perto de mim e olho na sua mochila.

- Certo.- Ela falou, tentando observar o que viria a seguir.

Ao virarem o corredor, descobriram que a luz na verdade era um prefacio do que estava por vir. Uma grande caverna iluminada por cristais, tochas e todo tipo de tecnologia que podia ser inventada por Pokemon transformaram aquela lugar em algo bonito, a primeira vista ao menos.

Era cheio de diversos Pokémon, de varias raças que até a jovem Sally não havia visto. Inúmeras lojas servindo e vendendo comes e bebes, itens raros ou falsos, muita falação e até mesmo música. Era como se todos estivessem um festival. Como se fosse a praça de uma cidade, era asfaltada por pedras e calçadas, além da enumeração e nomes por ruas. No centro, havia uma grande Cratera, que Sally se surpreendeu e deixou escapar um "wow".

Era semelhante a um refúgio, pensou Sally. Ou talvez nem fosse, de perto. O lugar era muito grande, e não via aonde sequer terminava. Olhou para cima (de onde vinha uma luz), para os lados, vendo paredes ao redor, como uma cúpula.

- Isso aqui é uma Dungeon?- Perguntou a Totodile, maravilhada o suficiente para não parar de olhar para tudo e todos.

- Essa é a feira da meia noite.- Shimezo falou, com calma.- Embora começamos ela de manha e encerramos depois da meia noite...

- Eu não sabia que um lugar assim existia por aqui. Quer dizer, uma passagem pela Guilda...

- Você ainda é novata.- Bufou.- Aqui, seu nome será Lyssa.

- Ué.- E moveu os ombros, sem se preocupar.- Okay. Por onde vamos?

- Pela rua dos Renegados.

Sally ergueu as sobrancelhas, mas nada falou. Apenas seguiu Shimezo pelas ruas, tentando não esbarrar em outros Pokémon, apesar do fluxo que ia e vinha. E virando a esquerda, subiram uma pequena colina com o chão de pedras pretas, com exceção de alguns cinzentos, espalhados. Ela achou o padrão estranho e seguiu atrás de Croagunk, que andava de modo estranho, balançando demais os longos braços. Parecia conhecer todos os cantos, como se estivesse ali inúmeras vezes.

A frente da dupla, havia uma tenda armada com panos pretos e marrons, porém não menos desorganizada. Havia potes, lampadas coloridas, relógios e até mesmo utensílios específicos, como uma serra pendurada atrás do vendedor.

Croagunk chegou perto e acenou com a cabeça duas vezes, só então o vendedor olhou cima. Era um homem magro, com roupas semelhantes a Croagunk, até mesmo a cor azul marinha era parecida. Ele parecia ter um olhar de poucos amigos, principalmente com sobrancelhas grossas e rosto fino. A boca seca se retorceu e a voz grossa falou de modo curto.

- O que é?

- Ela quer trocar um item.

Tão direto como Croagunk, o homem de braços cruzados olhou para Sally e coçou o queixo com alguns fios da barba por fazer.

- Mostre.- Ele falou.

Sally se aproximou e retirou o item da sua mala, o Bulba Dew. O homem se inclinou para frente, como se estivesse realmente interessado.

- Você mostrou isso a mais alguém?

- Apenas quatro Pokémon sabem disso, e isso nos inclui.- Respondeu, entregando a placa pequena.

Ele tirou um pequeno vidro redondo do bolso e o segurou quando analisou o item. Estranhamente fez gestos parecidos a de Shimezo, levantando, dando alguns petelecos e até mordendo levemente. Sally viu que o homem não deixou marcas e antes de perguntar como fez isso, ele disse antes.

- Duzentas facadas e duas Oran berry e uma Pecha Berry.

- O que isso quer dizer?- Perguntou, se virando para a Croagunk.- Eu vou morrer?

- Significa que é um preço a ser oferecido.- Respondeu.- Nós não usamos os Poké-Dolarés. Apenas itens e uma nova moeda de troca.

- O que é "facada"?

- É o nosso dinheiro e como você pode conseguir as coisas por aqui.- Falou o homem.

Sally ainda estava desconfiada, mas se um membro da Guilda a havia levado até ali, sabia que não valeria pouca coisa. Pensando mais, cogitou a oferta do homem. Colocaria as mãos em algo que nunca viu e possivelmente venderia as Berries ainda hoje, se não as usasse nas missões, a menos que tivesse que usa-las. Afinal seu objetivo não era descobrir tesouros?

- Eizshom, você acha que vale a pena?

E Croagunk apenas acenou. Sally sabia que não deveria falar o verdadeiro nome de Croagunk. Afinal, recebeu um novo nome...

O homem sorriu, um sorriso fino e que mal parecia um sorriso. Deixou o o Bulba Dew em cima da mesa, como se estivesse satisfeito. Deu meia volta e abriu uma caixa, tirando de lá um embrulho.

- Você fez algo útil hoje, Shimezo.- E sorriu de novo, como se tivesse algo escondido atrás disso.

- Meu nome é Eizshom.- Disse com fúria, batendo a mão na mesa. - Até você fica velho demais pra lembrar das coisas.

- Heh heh.- E por fim olhou para Sally.- Veja, esse item não deve cair em... mãos oficiais, se você me entende. Seria um problema e uma papelada bem grande entende? Você pode usar isso em casa... ou usar por aqui, apenas seja esperta.

- Certo.

Sally pegou uma especie de papel, um pouco grosso e de cor cinza. Era diferente dos Poke-Dolares que estava habituada. Mas achou interessante. Não sabia o quanto esse valor seria útil. Talvez guardasse como recordação.

- Bom, tudo bem.- Ela respondeu.- Eu fico com essa coisa que vocês chamam de "facada" e... troco pelo item.

- Entendido.- Falou o Sawk, enrolando o vegetal e entregando a garota.- E essas aqui também.

Pegou uma pequena sacola de papel, depois uma espatula para pegar as Berries nos cestos específicos. Entregou a garota e acenou duas vezes com a cabeça.

- Vamos indo Lyssa.- Resmungou Croagunk, se virando.

- Certo.- Guardou rapidamente na mochila e seguiu Croagunk, pensando se deveria acenar para trás.

- Nem pense em acenar ou dar tchau.- Falou Shimezo, virando a rua rapidamente, fazendo Sally correr.- Aqui não fazemos isso.

Sally nada falou, pois queria perguntar algo havia um tempo. Elas continuaram a andar, e parecia que Shimezo estava fazendo o mesmo caminho para a saída. Sally não queria isso. Ela queria explorar aquele lugar- e descobrir da onde esse cheiro vinha.

- O que é aquela cratera?

Shimezo parou, fazendo Sally se trombar com as costas do Pokémon.

- Você quer ver aquilo?

- Sim.

Bufando novamente, Shimezo virou novamente a rua, e Sally avistou uma placa que dizia "Rua das Lágrimas". Seguia-se o mesmo padrão, lojas com cores de panos diferentes, itens conhecidos e desconhecidos a amostra e até mesmo algumas tinham um cheiro ótimo vindo delas. Sally ficou com fome.

- Existe algo que podemos comer por aqui?- Perguntou, avaliando as tendas.

- Existe. Mas não sei se é seguro pra você.

- Mas por que?

Shimezo deu meia volta, parando novamente.

- Notou que há Pokémon do tipo veneno, planta e fantasma por aqui?

- Bom, até agora não muito.

- Sabe o que pode acontecer se você comer algo daqui?

- ...Não?

- Então, nem eu. Não arriscarei seu pescoço por aqui.

E se virou, seguindo em frente, para a grande praça que era ao redor da Cratera. Desviando de Pokémon, como Vileplumes, Venipedes e Gastlys, Shimezo enfim chegou aonde Sally queria. Estava apenas há alguns passos da grade que separa elas daquele abismo e uma vida segura. Ao seu redor. Pokémon continuavam aos seus afazeres, estando de passagem ou vendendo algo.

Croagunk chamou por Sally, mas percebeu que ela não estava lá.

- Aonde ela foi?!- Disse em voz baixa, como um guincho.

E refez o mesmo caminho, dando voltas e até mesmo perguntando a um conhecido ou outro se viram alguma Totodile. Um deles apontou para o leste, um pouco depois da onde estava e por entre as pessoas que circundavam, viu um relance de alguém de cabelo azul claro.

E andando a passos pesados, sentiu que havia um longo caminho para percorrer até a garota, que conversava alegremente com um grande Taurus, vestido com um avental acinzentado.

Nesse intermédio, Shimezo pensou em como Sally também era um pouco ingenua. Sabia que ela bolava algumas estrategias, pois ela e Ellie falavam alegremente disso no café da manhã. De como algumas funcionavam, e outras não chagarem nem perto do que pretendiam. Mas acreditou que Sally seguiria oque dissesse e escolhesse ficar perto, não explorando o lugar.

Foi quando a ficha caiu, que Sally sempre gostava de explorar lugares. Era o obvio e não se atentara a isso. E se isso chegasse a Guilda? Como explicaria a Maya? Shimezo apenas queria mostrar outros meios a Sally, mas errara. Todos os pensamentos negativos começaram a pertuba-la, circulando sua mente, forte como uma correnteza. "Droga", dizia para si mesma.

Quando iria chamar a garota, a mesma a avistou e acenou com a cabeça. Quase a chamou pelo nome verdadeiro, porém se corrigiu no ultimo instante.

- Lyssa, devemos ir. Por que você veio até aqui?- Tentou conter a voz, escondida na sua mascara.

- Ah, veja, o senhor Lincon está fazendo uns espetinhos de Berries. Legal não é?

Ela olhou para o homem, que tinha uma grande barba e a cabelo enrolando numa traça longa. Ele usava luvas para virar os gravetos que tinham diversas berries, cada uma exalando um cheiro delicioso.

- Aqui está, jovem Lyssa. É um prazer cozinhar para alguém que aprecie dotes culinários.

- Eu que agradeço, seu Lincon! Espero vir aqui de novo.

E acenando com a cabeça, se virou e rumou para a praça, onde ficava a cratera.

- O que pensou que estava fazendo?

- Eu tenho fome, poxa. E olha isso, o cara caprichou legal nesse espeto!

Sally deu uma mordida nas berries e nas gummis, enquanto Shimezo olhava perplexa. Da onde surgiu tanta coragem? Apenas seguiu a Totodile, que sentou num banco de madeira em frente ao grande buraco.

- Aqui aqui, prova essa purple gummi, deixei pra você.

- N-não, eu não quero.- E virou o rosto.

- Bom, então eu te dou. Olha o Wingull...

- N-não!

E antes que percebeu, Sally abaixou seu lenço e enfiou a Gummi quente na garganta de Shimezo. Shimezo ficou estática, não sabendo como reagir.

- Viu, falei que era boa não era? - Sorriu, jogando o espeto vazio numa lixeira perto dali.- Qual é o lance dessa cratera?

- ... Você me viu.- Disse, se cobrindo.

- Você acha que eu não vi seu rosto antes? Nós usamos o mesmo banheiro, tomamos café da manhã e jantamos também. Você come por de baixo do seu lenço sem sujar, é mo estranho. Não tem nada demais no seu rosto, por que esconde?

- Você não entenderia.- Resmungou. Shimezo escondia seu rosto por suas próprias razoes, físicas ou emocionais.

"O que Sally havia dito? Que não havia nada demais? Como?"-pensou Croagunk, sua face um pouco avermelhada.

- Olha essa cratera que coisa bizzara ne? WOOOOOO! Como foi que ela surgiu aqui? Foi um meteoro? ME DIZ ME DIZ!

- Não é esse o ponto.- Disse, reclamando da nova euforia de Sally.- Devemos ir embora.

- MAS ACABAMO DE CHEGAR!.- E Sally olhou para ela, se levantando.- Você e essa cratera não tem nada demais. Vocês dois existem e pronto. Mas ela não se esconde, não é? WOO, O QUE É AQUILO LÁ?

- Lyssa. Vamos. Embora.

- Sim, sim, eu sei onde fica a saída.- Falou Sally girando os olhos.- Eu só não sei como você fez o esquema no corredor.



 * * *


Quando saíram da Feira da Meia noite, Sally se deu de novo com aqueles corredores estranhos. Haviam andando tanto e por diversas curvas que não conseguiu memorizar o caminho para a Guilda. Agora, mas demais coisas foram relativamente fáceis. E sentiu sua cabeça começar a virar, como se visse duas Croagunk no corredor. Por fim cambaleou.

- Sally.- Sscutou alguém dizer, segurando antes dela cair, como se tivesse controlado a sua fúria ao dizer o seu nome. Alguém estava bravo. - Por Arceus, você não pode cair agora!

- NoOOOOouuusaaa!-Gritou, a cabeça pendendo para trás.- Mano, eu te falei que vi umas coisas nova? Tá ligada naquela-

- Não é esse o ponto Sally. Vamos, abra a boca.

- M-minha nossa, não sabia que você era tão rude...- E Sally corou, fechando os olhos.

- N-NÃO É ISSO SUA PATETA.- Gritou, com raiva e quase querendo largar Sally.- Se você não bebe esse Elixir, não sei o que acontece com você!

- O-ohaaaaaaaaaaa!

Nesse intermédio, Shimezo abriu a tampa do pequeno frasco, e apenas despejou pela garganta de Sally. A garota quase engasgou, e se retorceu no chão, tentando respirar. Ela tossiu e tossiu, e por fim parou de se mexer.

Shimezo bufou e bufou. Decidiu que havia tempo, então esperaria Sally acordar.



* *



Num lugar desconhecido,  não se faz movimentos bruscos, pensou. Você apenas age como os outros, ou tenta literalmente, agir "naturalmente." Mesmo quando se separou de Shimezo, sabia que aquele cheiro de Berries assando, não veria tão cedo. Para Sally, foi apenas como uma Dungeon, e Sally sabia como se comportar em Dungeons.

- Ei, Shimezo, obrigada por hoje.- Disse simplesmente quando pararam.

Croagunk fez uma sequencia de gestos e uma escada de madeiera simples surgiu acima delas, descendo até encostar no chão.

- De nada. Apenas... Não faça isso de novo.

- Puxar a bandana ou sumir do nada?

- Os dois.- Disse, segurando na escada com força.- Se algo acontecer, não sei como eu diria a Guilda.

- Vocês esquecem que eu faço Dungeons todo dia não é?- Disse com um ar convencido.

- Sally, você ainda é uma amadora nesse mundo. Algumas coisas não funcionam bem assim como pensamos ou como queríamos.

- Hey, aquele homem, o Sawk, era parente seu não era?-Disse, mudando de assunto novamente.

- O que faz com que você pense isso?

Os olhos de Sally brilharam e ela esboçou um sorriso.

- Vocês se tratam como conhecidos e são bem parecidos fisicamente. Quando ele mencionou que fez bem ao me trazer aqui, pensei que você pode ter passado algum tempo com ele.

- Ele... era o meu pai.- Disse, abaixando os ombros.- Eu aprendi essas coisas com ele.

- Oh.

- D-de todo modo, devemos ir indo. Já deve ser quase de noite na Guilda.

- O tempo passou bem rápido aqui em baixo né?

- É. Rápido até demais.



* * *


- Minha nossa Dona Ellie, não sabia que a senhora gostava de doces...

- A-ah, não, nada demais certo? É só não exagerar certo?-

Ellie acabou por ajudar os irmãos Klo a fazerem compras. Na loja de doces da Clefairy, a Snivy segurava duas cestas. Haviam completado todos os itens da lista dos irmãos Klo (que não era muita coisa) e dissera para passarem na loja de doces. Acabou se animando também, ficando contente pela excitação dos irmãos a olhar a cascata de Oran Berry.

Quando viu que o dinheiro deles estava acabando, e eles haviam pego mais coisas do que deveriam, Ellie pensou em avisa-los. Eles sabiam fazer contas de matemática, verificar frutas e preços. Mas parecia que, na loja de doces da Clefairy, eles extrapolaram.

"ISTO NÃO IMPORTA. EU. DEFINITIVAMENTE LEVAREI TUDO PARA ELES."- Pensou Ellie, determinada.

Com isto em mente, Ellie mesmo deixou várias coisas. Chegou a pensar que não precisaria disso tão cedo. Escolheu uma coisa ou outra, enquanto levava a cesta de Carl e Harold.

Correndo pelos corredores, eles pareciam pegar o que mais gostavam. Seja pelo sabor, pelo brilho da embalagem, colocavam tudo na cesta. Ao que pareceu, decidiram por fim avaliar o que realmente levariam.

Tiraram quase metade da cesta, ficando incrivelmente mais leve. Ellie nada falou, mas observou como eles agiam e conversavam.

- Se a gente levar isso, não vai sobrar pro Milkshake.

- Quem precisa de Milkshake quando se tem essas barras?- Mostrou o irmão, balançando no ar.- Vamos ficar com isso.

- Hump. Você não sabe o que tá fazendo! A mãe vai ficar muito brava!

- Meninos.- Chamou Ellie.- Está tudo bem. Eu levo essa cesta e pego um Milkshake pra vocês.

-OH?

- Mas, Dona Ellie, isso não vai te prejudicar?- Disse o Poochyena, com os olhos arregalados.- Obrigado por ser gentil, mas a gente-

- OUVIU ISSO HAROLD?- Gritou.- NÓS VAMOS PEGAR ISSO DE GRAÇA.

E ao dizer isso, é como se todos os Pokémon da loja se virassem para vê-los. Ellie suspirou, se agachando na altura deles.

- Meninos, ouçam.- Disse baixinho, para eles ouvirem.- Eu posso levar hoje pra vocês, não há problema. Mas, apenas se vocês ficarem comportados. Se não eu conto pra mãe de vocês.

Carl, o Zigzagoon pareceu querer falar algo, mas seu irmão tapou sua boca e falou.

- M-muito obrigada Dona Ellie! Espero que um dia possamos fazer algo pra te recompensar...

- Sem problemas!- Disse feliz. - Vamos indo pro caixa?

*


No final do dia, Ellie se sentou numa das mesas do Spinda Bar. Fez um pedido, e aguardou com os pequenos irmãos. Harold parecia ter um pouco de vergonha ainda tímido. Totalmente o oposto de Carl, que mal aguentava ficar parado na cadeira.

Já Ellie, apenas os observou conversarem, e ver como eles diziam coisas sobre si.

- Mas, pera, você quer dizer que há Pokémon com cores diferentes??

- Sim, Carl.- Disse o Poochyena, girando os olhos.- Eu já te falei isso!

- Ué, eu esqueci. Com é um Magikarp colorido? Ele é azul?

- Eu não sei. Nunca vi um.

Ellie acabou se interessando. Ela ousou perguntar.

- Pokémon coloridos? Aonde você viu isso, Carl?

O jovem Poochyena acabou ficando tímido. Ele tentou falar, mas sua voz saiu estranha e atrapalhada.

- B-bom, Dona Ellie, é que é um segredo... Mas...

E ela chegou mais perto, ouvindo mais atentamente.

- É que... nossa mãe é um pouco diferente... Ela não é uma Mightyna comum... Ela é amarela, sabe?

- É-é! Por isso ela ficou na cama por alguns dias... Ela acha que pode passar e acordar como os outros. Mas pela pegou um resfriado, e nos estamos ajudando ela!

- Oh. Entendo. Quer dizer, que legal que sua mãe é diferente! Eu nunca vi um Pokémon com uma cor muito diferente.

Um tempo depois, seus pedidos chegaram. Os irmãos Klo se animaram, logo acabando com a bebida adocicada. Não demorou para conversarem de outras coisas- a maioria dizendo coisas de sua mãe. Por fim, quando estavam na Crossroads, eles se despediram, mexendo as sacolas e dando um grande abraço em Ellie, que os abraçou de volta.

- Espero ver vocês de novo, Carl e Harold. Sejam bons meninos para a mãe de vocês, certo?

- Certo!

Afagou a cabeça deles uma ultima vez, e se despediu. Os observou de longe, até que sumiram.

Ellie respirou fundo, e sentido-se revigorada, espreguiçou-se. Decidiu voltar para Guilda e procurar algo para ler, ou até mesmo conversar om alguém.

Dando meia volta, ela caminhou feliz, sem perceber que, acidentalmente, se esbarrou com alguém.

- Ah! Mil perdões! Me desculpe eu-

- Está tudo bem.- Falou o Pokémon.

Era uma mulher com capuz cinzento. Ela tinha olhos vermelhos, e usava um tapa-olho. Seu cabelo era curto e preto, e era muito alta. Não conseguiu dizer que Pokémon era esse.

- ...Você faz parte dessa guilda?- Perguntou, a voz quase que sumindo.

- A-ah, sim! Eu faço.

-Ah. Entendo.- E ela mexeu a cabeça, como se acenando para si mesma.- É bom ter amigos e um lugar para voltar.

E subitamente, tudo ficou estranho. Ellie sentiu uma pontada em seu coração. Tão dolorosa que chegou levar a mão ao coração, tentando respirar. Sentiu-se presa, como se o ar tivesse sumido, e não conseguia respirar, nem se mover.

- B-bom, foi bom te conhecer.- Falou a mulher, desviando o olhar.- Adeus.

E se virou, tomando a direção oposta a Crossroads. Ela rapidamente sumiu, e Ellie permaneceu parada, tentando processar o que aconteceu.










Fanart#5

Fanart#5





Autora: Virgínia Cardoso de Toledo (WhiteVir)
Estado: SP
Ténica: Paint Tool Sai
Idade: 19


Acabei fazendo esse desenho no dia 5 e só terminei agora, dia 11. Mas acabei! Tentei fazer algo digital, e estou me esforçando para aprender a mexer no Paint Tool Sai. Eu consegui uma Charmander, de natureza Jolly (seria ideal para o X, não Y, mas, acontece) e ela evoluiu no dia seguinte. Atualmente estamos no 6 º ginásio.

Pokémon Y é bem diferente do que imaginei. E as roupas são caras. Mas é divertido!

- Copyright © 2016 Pokémon Mystery Dungeon: A Fanfiction - Escrito por White Vir Scarlet (WV) - Powered by Blogger - Designed by Johanes Djogan -